Frasco de Memórias

“Le souvenir est le parfum de l´âme” – (George Sand).


10 comentários

Midas

Estas duas peças estavam no sótão da casa da minha avó Rosa.

Não fotografei o triste estado de abandono em que as encontrei.

A minha mãe lixou-as, tratou-as, pintou-as. Horas.

O armário mosquiteiro é o armário da roupa da Beatriz.

DSC00215

A arca do enxoval é a arca dos pijamas.

DSC00211


7 comentários

A Ilha

Comprei este livro na última Feira do Livro de Coimbra.

Foi um impulso, despertado pelas cores da ilustradora Yara Kono e pelo facto da obra ter merecido a Menção do Júri na categoria de Opera Prima nos Bologna Ragazzi Awards 2013 (é o prémio que distingue as primeiras obras de autores e ilustradores, neste caso João Gomes Abreu).

DSC00945

Não é ainda para a Beatriz, apesar de já lho ter lido (a pedido dela).

Não percebe a profundidade da mensagem de João Gomes de Abreu. Eu, umas dezenas de anos mais velha, tive de ler o livro calmamente (duas vezes) para entender a mensagem do livro. Dá que pensar.

DSC00947

Tudo começa quando os ilhéus conhecem os continentais; e desejam ardentemente ser como eles.

O objectivo de vida dos ilhéus transforma-se e concentram esforços na construção de uma ponte que os ligue até ao continente.

Com discursos de políticos pelo meio, a ilha é destruída na demanda deste novo projecto.

DSC00948

Resumindo: a ponte fica concluída mas, devido a incompetências várias, os ilhéus nunca conseguem viver no continente; passam a viver na ponte!

Um final tão inesperado obrigou-me a reflectir acerca do que constitui a nossa identidade, acerca da ligação entre a identidade e o espaço que habitamos e acerca do perigo de perdermos a nossa identidade por querermos desesperadamente ser como o outro.

Um tema intemporal e muito sentido no momento presente, uma vez que sinto diariamente pressão para que os ilhéus, que vivem num país chamado Portugal, sejam outra coisa qualquer pronunciada em alemão.

A editora? Planeta Tangerina, claro!


9 comentários

Espécime

Por princípio tenho alergia a correntes, mas ensinaram-me a não rejeitar espécies, apenas espécimes.

Levei esse ensinamento para a vida.

Quando li acerca do projecto Tag: 11 Coisas, em vez de ficar imediatamente com urticária, decidi prestar atenção ao que a muito simpática Menina Cos(z)e nos propunha.

Questionar-me é sempre positivo e enfrentar alguns medos e preconceitos também.

TAG: 11

A minha primeira tarefa é definir-me em 11 pontos. Vou ser breve.

EU…

Nasci a 50 metros do mar.

Mudei de casa 17 vezes.

Vivo na bonita casa da minha Avó Rosa.

Sinto falta do convívio diário com os amigos que estão espalhados pelo país.

Chá, torradas, requeijão e compota: o meu pequeno-almoço nos últimos meses.

DSC01648

Zangada, arranco ervas daninhas (literal e metaforicamente).

Queria que os dias tivessem 36 horas (continuava a trabalhar 8h).

O sentido do mundo está no cheiro dos caracóis da minha filha.

Ultimamente, vivo dentro de livros infantis. Feliz.

DSC01125

A Arte liberta o Homem da sua condição.

Quando eu morrer voltarei para buscar/ os instantes que não vivi junto do mar. Sophia de Mello Breyner.

A segunda tarefa é responder às questões colocadas pela Menina:

1- Defina-se em três palavras:

Duas: não consigo.

(Peço desculpa, mas sigo a resposta do mestre Mia Couto).

2- Qual é a altura do dia de que mais gosta?

Do silêncio e da luz da manhã.

3- Qual o motivo pelo qual criou o seu blog?

Para me centrar na beleza dos dias.

4- Qual o assunto de que mais gosta de tratar no blog?

Análise de livros infantis.

5- Quais as vantagens e desvantagens de ter um blog?

Ajuda-me a encontrar a beleza dos dias. Obriga-me a ser mais disciplinada com o meu tempo.

6- Qual o local mais bonito que já visitou?

Cinque Terre.

7- Diga qual é para si a sua viagem de sonho.

A próxima.

8-Qual é o seu doce favorito?

Bolo de fécula de batata, com recheio de banana e vinho do Porto, feito pela minha Mãe.

9- Diga um filme que a tenha marcado.

O segredo de um cuscuz, de Abdellatif Kechiche. Uma lição sobre a essência da 7ºArte, com os 5 minutos mais sexy da história do cinema.

10- Confidencie-nos o seu maior defeito.

Impaciência.

11- Conte-nos a sua maior qualidade.

O meu coração não é duro.

Penúltima tarefa: elaborar 11 questões:

1- Eu

2- Ter um blog…

3- Num fim-de-semana de sonho, fugia…

4- Gostava de entrevistar…

5- Ver uma nuvem e um sol num ovo estrelado é como…

6- Se a minha vida fosse um poema seria…

7- Gostava de aprender…

8- Para criar preciso de…

9- Um livro para uma criança…

10- Hoje em dia subestima-se…

11- Faltou perguntar…

Última tarefa, lançar o repto a:

Stylista

Manga e Papaia

Amo-te mil milhões

Caracóis viajantes

Blog da Carlota

Cocó na fralda

Hoje conhecemos

Na minha mercearia

Fashionoir

A Saloia

Ma Petipe Princesse

Alfaiate Lisboeta

Raparigas como nós

Chocolate à Chuva

Às nove no meu blog

Con botas de agua

A terra do arco-íris

Mãe 360

Pano para mangas

Saídos da Concha

Bysavannhk

Prateleira de baixo

Caderno branco

e a todos os que queiram participar.

Com ou sem blog.


5 comentários

Não vêm em frascos?

Há uns anos, quando vi a minha Tia Alice a preparar orégãos, fiquei tão espantada que nem reconheci a planta.

Agora orgulho-me do meu percurso!

Como uma cumpridora aprendiz, preparei os meus orégãos para o Inverno!

DSC02282

DSC02284

Se eu disser que foi a minha prima Cristina que me ofereceu os ramos de orégãos já quase secos, quebra um bocado o impacto, não é?

A minha consciência não me deixa brilhar…


3 comentários

Entusiasmo

A minha Mãe nunca gostou de cozinhar, mas sempre gostou de ver nascer os ingredientes que depois vão para a cozinha.

A minha Mãe não gosta de ver televisão, mas gosta muito do Jamie Olivier.

Uma desconfiança minha: do que a minha Mãe gosta mesmo é da quinta do Jamie Olivier…

Aprendeu, com ele, que existe uma paleta de cores (e sabores), nos alimentos, até aqui desconhecida.

Qual não foi o meu espanto quando apareceram no nosso prato estas gotas amarelas.

DSC02315

Combinam, na perfeição, com os vulgares (mas sempre bonitos) tomates cereja vermelhos.

DSC02392

O desejo de aprender, de experimentar, de ser surpreendido, rejuvenesce-nos.

É o que acontece com a minha Mãe.


7 comentários

The Sartorialist

A T é minha amiga, é minha prima e é uma blog hunter.

Tem um talento invulgar para descobrir blogs imperdíveis que eu não conheço e que nunca viria a conhecer na vida.

Há três anos falou-me deste blog: The Sartorialist, de Scott Schuman (um nome incontornável na moda e na fotografia).

Schuman fotografa o bizarro, mas também o original e o belo.

E procura a aliança entre o mundo da moda e a rua.

80513Camila4662web[1]

80513Margherita4510web[1]

bandcollarwhiteshirtWEb[1]

61913floral1537web[1]

Dior3[1]

62213backless3677web[1]

62613AtValC7745web[1]

61913hat0508web[1]

Seremos assim tão diferentes?

Em Itália, Nova Iorque, França, … encontro caras, estilos e poses que conheço.

Vejo aqui os meus primos: Teresa e Rodrigo!

E outros tantos que gostaria de conhecer (ok, eu não disse isto).

NB. Todas estas caras conhecidas estão no The Sartorialist.


12 comentários

Abrir janelas

O Café Águias d´Ouro, com azulejos e míticas janelas na fachada, e outras tantas pousadas nas mesas de quem ainda lá vai encontrar os companheiros da Tertúlia:

DSC02170

DSC02172

DSC02173

DSC02175

Aqui abriram janelas nomes da Filosofia Portuguesa.

O  professor António Telmo escreveu, neste café, uma das suas obras mais conhecidas: História Secreta de Portugal.

Estranhamente pouco conhecida entre nós, a obra de António Telmo é estudada nas universidades brasileiras, onde o seu nome adquiriu o prestígio de autores como Agostinho da Silva e Fernando Pessoa.

O livro O Bateleur foi publicamente considerado, naquele país, “um milagre literário”.

Não perdi a oportunidade e pedi-o emprestado!