“Le souvenir est le parfum de l´âme” – (George Sand).

CoSleeping

6 comentários

Snezhana Soosh

Entre a primeira versão do pai rechonchudo ou a segunda, opto, muitas vezes, no correr dos dias, pela primeira.

Numa altura em que filhos (e pais!) têm de ser perfeitos e encaixar nos perfis, percentis e metas e certezas esperados para a idade, cada vez tenho mais vontade de “mandar tudo às urtigas” e gritar “respeitem o ritmo de cada criança e a intuição dos pais”.

Que mundo acelerado e cheio de objectivos a cumprir!

Às vezes dou por mim com a ansiedade que imagino que seja vivida por um atleta de obstáculos… em vez de gozar cada fase da vida que nunca mais se repete.

Snezhana Soosh 2

Ora, nestes obstáculos que crianças e pais têm de ultrapassar (e há uma check list bem grande para cada idade), há um especialmente polémico: o Cosleeping.

Mais não é do que o nome pomposo (em inglês, pois claro!) do que o que se fez toda a vida e se chamou “dormir no quentinho dos pais”.

No meu caso, é uma questão de CoSurviving ou CoSerenity.

Cada família tem as suas dinâmicas, regras e afectos, mas dormir com os pais pode ser muito retemperador para os filhos (e para os pais!) que assim o desejem.

A nós, reequlibra-nos, especialmente nas ausências demasiado prolongadas dos dias agitados.

Às vezes, fico com a luz acesa a ver a imagem, em versão anjo,  que mal fixei durante o dia; outras, deixo-me embalar com a cadência da respiração pequenina; outras ainda, fico a pensar que, com a pré adolescência cada vez mais precoce, já não terei muitos anos desta doçura.

E eu quero aproveitar tudo enquanto a tenho no ninho.

Até concretizar as palavras de Rubem Alves:

“Sei que é inevitável e bom que os filhos deixem de ser crianças e abandonem a proteção do ninho. Eu mesmo sempre os empurrei para fora. Sei que é inevitável que eles voem em todas as direções como andorinhas adoidadas.

Sei que é inevitável que eles construam seus próprios ninhos e eu fique como o ninho abandonado no alto da palmeira… Mas, o que eu queria, mesmo, era poder fazê-los de novo dormir no meu colo…!”

Durmam bem!

Ilustrações Soosh.

Autor: Frasco de Memórias

http://frascodememorias.com

6 thoughts on “CoSleeping

  1. Belo artigo. Nem por acaso, hoje foi dia de Cosleeping cá em casa: a meio da noite uma menina com um pesadelo a pedir refúgio! Adorei as imagens! Beijinhos

    • Às vezes tem de ser: ontem cheguei depois das 20:00h a casa – nem discuti a questão!
      A cama da mãe é o local mais seguro que existe e antipesadelos; e o cheirinho das filhas é o melhor ansiolítico que existe 🙂
      Beijinhos!

  2. Muito bom. 🙂 Cá em casa acordamos sempre de manhã com a pequena a dormir ferrada no meio de nós. E raramente damos pela chegada dela!

  3. Eu fazia muito isso em minha infância ou nos dias frios em que mio babo estava a viajar. E que delícia encontrar Rubem Alves por aqui… adoro as linhas dele.

    bacio

Deixe uma Resposta para Lunna Guedes Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s