“Le souvenir est le parfum de l´âme” – (George Sand).

Alternativas

2 comentários

Numa escola do Alentejo, assisti a uma iniciativa louvável, ao longo da qual se convidaram vários profissionais, a fim de partilharem as suas experiências académicas e de trabalho, com jovens de quinze anos.

Numa das intervenções, uma pediatra enfatizou a importância de manter o foco na hora de escolher o futuro.

Descreveu o seu duro percurso académico e tudo aquilo de que teve de abdicar para se licenciar. É uma profissional realizada, mas realçou a necessidade de reflectir sobre o que se gosta e de alargar o leque de opções.

Salientou que teria sido muito feliz como educadora de infância, porque do que fundamentalmente gostava, enquanto médica, era do contacto com as crianças. Pensava, actualmente, que teria vivido o início da juventude menos pressionada e isolada, se tivesse feito essa escolha.

Foi um discurso humilde e consciencioso e fez-me pensar sobre as minhas escolhas.

No final do ensino básico, percebi que gostava muito de ler e de escrever e que teria de seguir Humanidades.

Jenny Kroik

Apesar de tímida, gostava muito de pessoas e de partilhar descobertas.

Estavam reunidas as características essenciais para, um dia mais tarde, ser professora.

Na minha ingenuidade, depois de ver vinte vezes O Clube dos Poetas Mortos, não fazia ideia das dificuldades.

Depois de muita persistência da minha parte, da minha família e de amigos, consegui exercer e, finalmente, pertencer à carreira docente.

Hoje, tal como há vinte anos,  continuo sem saber o que vai acontecer no mês de Setembro; continuo sem estabilidade geográfica.

A dispersão das últimas duas décadas teve custos elevados, no meu equilíbrio financeiro e, principalmente, no emocional, assim como na manutenção dos afectos.

Obviamente que também foi devido a esse périplo que conheci o meu país;

aprendi muito com pessoas diferentes e tenho legitimidade para afirmar que os professores são, na sua maioria, esforçados, responsáveis, bem intencionados e muito generosos. Sobretudo no interior do país, fazem, de facto, a diferença na vida das crianças. Apenas uma ínfima parte está esgotada e não tem a resistência ou a resiliência que esta profissão, cada vez mais, exige.

Gosto de ser professora, mas reparo que, a cada ano que passa, chego ao fim do dia mais cansada.

São trinta alunos numa sala e é impossível manter o contacto (mais do que visual!) com todos.

O “Programa de Português” é alienado: exigente, infindável e inesgotável, ignora que os alunos (que nunca leram um livro para além da colecção Uma Aventura) precisam de tempo para analisar, assimilar, e para aprenderem a apreciar um texto literário.

O “Programa e Metas Curriculares de Português” de 2014 sugere quatro aulas para leccionar Fernão Lopes, duas para História Trágico-Marítima, oito para António Vieira e seis para Amor de Perdição, por exemplo. Contextualização histórico-cultural incluída!

Apesar da demência ministerial, travo uma luta diária para conseguir trazer todos os alunos comigo e sinto, com frequência, que o problema está muito para além da escola.

O final do dia é, por todos estes motivos, muitas vezes, marcado pela exaustão e frustração.

lady at subway Jenny Kroik

Entretanto, o outro motivo que me fez optar por esta profissão, a literatura, vai ficando  sequestrada.

À noite, raramente consigo ler mais do que uma página sem confundir as letras.

selfie Jenny Kroik

Volto à questão levantada pela pediatra:

não poderia ter feito outra escolha que me fizesse feliz e preenchesse os requisitos iniciais: a literatura e a partilha com os outros?

Até que ponto não estaria no lugar certo a trabalhar numa livraria ou numa biblioteca?

Jenny Kroik livraria

É uma questão existencial que me atormenta.

A persistência na profissão, como a maior parte das grandes decisões da minha vida, é, sem dúvida, mais emocional do que racional.

Quando penso numa alternativa mais serena para a minha vida, abalam-me os sorrisos dos cento e quinze alunos deste ano e os sorrisos que me acompanharam nas últimas duas décadas.

Para mim, a escola é um lugar de Conhecimento, mas principalmente de Afectos; acredito que não há aprendizagem efectiva, se esta não tiver um contexto afectivo.

E volta o lado emocional a toldar-me o pensamento…

Não sei se estou bem.

Haverá o lugar certo?

Imagens: Jenny Kroik.

 

Autor: Frasco de Memórias

https://frascodememorias.wordpress.com

2 thoughts on “Alternativas

  1. Olá Ana! Penso que os teus alunos te diriam que estás na profissão certa – o teu empenho, o teu gosto pela literatura e a tua angústia com o estado presente da educação, o denunciam. Mas também entendo a necessidade da tua reflexão, pois também eu a tenho muitas vezes… Um grande beijinho

    • Olá, Joana!
      Há dias duros; em todas as profissão os há… mas, enfim, às vezes, acho que não terei forças para resistir.
      Os sorrisos vão dando dias de vida 🙂
      Só por eles é que vale a pena!
      Beijinhos; sei que também tens sorrisos retemperadores!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s