“Le souvenir est le parfum de l´âme” – (George Sand).

Netos

Deixe um comentário

Antero de Quental foi, até ao último fôlego (suicidou-se em 1891), um homem desassossegado:

muito instável, ora entusiasmado, ora descrente, em relação aos outros, a ele próprio, a Deus. Nega-O, na Sua versão católica, mas consegue escrever poemas plenos da religiosidade que (pessoalmente) me interessa.

ignant-photography-gili-benita

A um Crucifixo

Não se perdeu teu sangue generoso,
Nem padeceste em vão, quem quer que foste,
Plebeu antigo, que amarrado ao poste
Morreste como vil e faccioso.

.

Desse sangue maldito e ignominioso
Surgiu armada uma invencível hoste…
Paz aos homens e guerra aos deuses! ‑ pôs-te
Em vão sobre um altar o vulgo ocioso…

Do pobre que protesta foste a imagem:
Um povo em ti começa, um homem novo:
De ti data essa trágica linhagem.

Por isso nós, a Plebe, ao pensar nisto,
Lembraremos, herdeiros desse povo,
Que entre nossos avós se conta Cristo.

FELIZ NATAL!

Autor: Frasco de Memórias

https://frascodememorias.wordpress.com

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s