“Le souvenir est le parfum de l´âme” – (George Sand).

Persistir

Deixe um comentário

O mês de janeiro é o mês de renovação, mês dos “ses”, do “talvez”, do “é possível”.

Devia ser um mês optimista.

Para mim, sempre foi um mês difícil, tristonho e cinzento: está um frio que não se aguenta e não há luz.

É um mês recolhido e contemplativo.

Ora toda a gente sabe que isto de contemplar muito o interior tem o seu preço, ficamos meditabundas a chinelar pela casa.

Carta a um filho

Como ninguém nos quer nesse estado em que nos dá para questionar e nada produzir, enchem-nos de néon, vibrações, barulhos e afazeres inúteis.

A estridência continua com notícias e polémicas fabricadas todos os dias para nos entreterem.

Este poema de Rudyard Kipling é para repetir baixinho e manter no pensamento durante todo o ano de 2019.

SE

“Se fores capaz de não perder a cabeça quando todos à tua volta

Perdem a deles e te culpam por isso,

Se fores capaz de  confiar em ti mesmo mesmo quando os outros duvidam,

Mas aceitando perguntar a ti mesmo se não terão um bocadinho de razão;

 

Se fores capaz de esperar sem deixar que a espera te canse,

Ou sendo alvo de calúnia te recusares a caluniar,

Ou sendo odiado não te deixares levar pelo ódio,

Sem te tornares sobranceiro, nem te perderes em palavras ocas;

 

Se fores capaz de sonhar, sem deixar que os sonhos te escravizem,

Se fores capaz de pensar, mas não cruzares os braços;

Se fores capaz de viver o Triunfo e a Desgraça

Tratando-os, a ambos, como os impostores que são;

 

Se fores capaz de suportar ver a verdade das tuas palavras

Deturpada por velhacos para a transformarem em armadilhas para os tolos;

Ou vendo as coisas a que dedicaste a vida, feitas em pedaços,

Te vergares para as reconstruíres com ferramentas já gastas;

 

Se fores capaz de juntar numa mão cheia todos os teus ganhos

E arriscá-los num “cara ou coroa”,

Perder e começar do zero

Sem nunca soltar um lamento;

 

Se fores capaz de obrigar o teu coração, o teu espírito e o teu corpo

A servirem a tua vontade mesmo depois de exaustos,

E assim manteres-te de pé quando já nada resta dentro de ti

Excepto a força que lhes diz: “Aguentem!”;

 

Se fores capaz de falar às multidões sem perder a virtude,

Caminhar com reis sem deixares de ser simples,

Se nem os teus inimigos, nem os teus amigos mais queridos te conseguem magoar,

Se todos os homens contam contigo, mas nenhum dispõe de ti;

 

Se és capaz de preencher o fugaz minuto

Com sessenta segundos vividos plenamente,

Tua é a Terra e tudo o que nela existe;

E – o que mais importa – serás um Homem, meu filho!”.

Mauro Evangelista ilustrou o poema de Rudyard Kipling e o livro já vive cá em casa há anos.

Carta a um filho capa

Não sei se alguma vez lerei o poema à Beatriz.

Penso que, quando tiver idade para entendê-lo, não vai estar muito disponível para ouvi-lo dito pela mãe.

Pode ser que um dia lho deixe em cima da cama…

 

 

Autor: Frasco de Memórias

https://frascodememorias.wordpress.com

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s