“Le souvenir est le parfum de l´âme” – (George Sand).


Deixe um comentário

Transformação

Sophia de Mello Breyner, intervenção de 1975, na Assembleia Constituinte:

“Num país e num mundo onde há famílias sem casa e doentes sem tratamento e sem hospital, a questão da liberdade da criação artística e intelectual pode parecer uma questão secundária, mas sabemos que a cultura influi radicalmente a estrutura social e a estrutura política. E por isso a questão da liberdade da cultura é uma questão primordial, pois a cultura não é um luxo de privilegiados mas uma necessidade fundamental de todos os homens e de todas as comunidades.

A cultura não existe para enfeitar a vida mas sim para a transformar para que o homem possa construir e construir-se em consciência, em verdade e em liberdade e em justiça.

E se o homem é capaz de criar a revolução é exactamente porque é capaz de criar cultura.”

Moon-book-illustration-by-Xuan-loc-Xuan4

A maravilhosa intervenção de Sophia foi ouvida aqui.

A imagem é da ilustradora Xuan Loc Xuan.


2 comentários

Inventalínguas

“O povo é um inventalínguas”, tal como escreveu Haroldo de Campos e cantou Caetano Veloso.

A nossa língua é dinâmica: cria palavras, deixa morrer outras, modifica outras tantas.

Pensar que a língua se deturpa ou morre por esse motivo é uma assunção de quem não conhece a história da língua. Acredito que existem fases mais criativas e outras mais pobres, como aquela em que vivemos, mas a dinâmica é própria dos organismos vivos.

Nesse sentido, não tenho nada, em teoria, contra as mudanças na forma como escrevemos e falamos…

No entanto, considero que as modificações têm de provir de uma necessidade de quem fala.

O problema deste Novo Acordo Ortográfico é mesmo esse: nenhum dos falantes sentia necessidade de transformar a língua da forma que foi superiormente proposta imposta.

A título de exemplo, nunca conheci quem sistematicamente se esquecesse das consoantes “c” e “p”, no caso das palavras em que estas não são pronunciadas; por experiência profissional, constatei, durante anos, que os erros ortográficos dos alunos não provinham destas consoantes surdas.

Por outro lado, as ambiguidades linguísticas que existem entre o Português Europeu, o Português dos PALOPS e o Português do Brasil (que o Acordo diz pretender diminuir) também não provêm da existência das consoantes mudas ou da acentuação que foi alterada. Como todos sabemos, as diferenças entre as variantes do Português prendem-se sobretudo com questões de pronúncia e de vocabulário específico dos espaços sociais e geográficos.

 

Por imposição profissional, adoptei o Acordo, mas pessoalmente sinto-me muito mais confortável desobedecendo a um Acordo que me foi imposto por políticos que eu desconsidero.

A língua é de quem a fala e a nossa relação com ela é muito íntima: acompanha-nos desde o nascimento, permite-nos o pensamento e sentimo-la como um prolongamento da nossa identidade.

Comprova essa ligação umbilical o facto de ninguém gostar de ser corrigido quando fala: da pessoa mais humilde à mais erudita, todas ficam extremamente melindradas quando são emendadas no seu discurso.

Numa época de total TV lixo, encontrei um programa que devia ser copiado pelos nossos canais privados ou públicos: Livros que amei do Canal Futura, do Brasil.

O Professor Evanildo Bechara esclarece:

“A língua é uma instituição social.

A língua nunca está estável; está sempre instável, num equilíbrio instável.

O equilíbrio é para permitir a comunicação entre todos aqueles que a falam e a instabilidade é porque o povo – que é o dono da língua – está em acção, é criativo e essa criatividade leva também a criar dentro da língua. Esse poder de criação não é exclusivo dos eruditos. O poder de criação é também distribuído ao homem comum.”

 


1 Comentário

Encontrar

theresa-marx_photography_012

Em Todas as Ruas te Encontro

Em todas as ruas te encontro
em todas as ruas te perco
conheço tão bem o teu corpo
sonhei tanto a tua figura
que é de olhos fechados que eu ando
a limitar a tua altura
e bebo a água e sorvo o ar
que te atravessou a cintura
tanto    tão perto    tão real
que o meu corpo se transfigura
e toca o seu próprio elemento
num corpo que já não é seu
num rio que desapareceu
onde um braço teu me procura
Em todas as ruas te encontro
em todas as ruas te perco
Mário Cesariny, in “Pena Capital”
theresa-marx_photography_013
Fotografias IGNANT


2 comentários

Chuva de Abril

Eugénio de Andrade reconciliou-me com a poesia, depois de uma adolescência de prosa.

Continua a ser, para mim, um porto muito seguro!

Mesmo em dias de chuva!

Xuan loc xuan on Behace

Chove. Uma rapariga desce a rua.
Os seus pés descalços são formosos.
São formosos e leves: o corpo alto
parte dali, e nunca se desprende.

A chuva em Abril tem o sabor do sol:
cada gota recente canta na folhagem,
O dia é um jogo inocente de luzes,
de crianças ou beijos, de fragatas.

Uma gaivota passa nos meus olhos.
E a rapariga – os seus formosos pés –
canta, corre, voa, é brisa, ao ver
o mar tão próximo e tão branco.

Xuan Loc Xuan ilustração

As ilustrações são da vietnamita Xuan Loc Xuan!

Xuan Loc Xuan significa Primavera.