Frasco de Memórias

“Le souvenir est le parfum de l´âme” – (George Sand).

Ilhas

4 comentários

Não sei se a pandemia é o resultado de uma conspiração chinesa, se acontece porque a Natureza está saturada dos humanos ou, pelo contrário, se é a consequência dos humanos se terem esquecido que fazem parte da Natureza, ou se foi Deus ou um demónio que decidiram dar-nos uma lição de humildade.

É um vírus poderoso, mas acredito que lhe falta a grande capacidade humana de luta: a inteligência é uma prerrogativa nossa e é ela que conduz à ciência.

A minha esperança na ciência não é uma questão de fé, pois a ciência não é divina nem mágica; no entanto, tem-nos curado de muitas doenças e proporcionado conquistas inimagináveis.

Infelizmente, não lhe demos a oportunidade de nos curar da imbecilidade e de outras tantas ameaças mais ou menos concretas em que andamos mergulhados há séculos.

A maior prova de que a nossa sociedade já estava há muito doente é que o Conhecimento e a Educação têm sido desprezados e o virtuosismo futebolístico e outras alucinações (que nem virtuosas são) foram valorizadas e remuneradas insanamente.

Agora, dependemos de cientistas, investigadores, médicos e enfermeiros que tanto desprezámos e pedimos-lhe, despudoradamente, um milagre e, já agora, que arrisquem a vida, todos os dias, por nós.

E eles fazem-no!

Espero que, depois deste abalo, os valores que nos devem reger encontrem o seu lugar e que quem salva vidas, quer seja com um gesto humilde, quer seja com rigor científico, passe a ser o nosso herói. E justamente divulgado e remunerado.

Estas palavras de Nick Cave, publicadas no Blitz, não são científicas, são poéticas, o que é mais ou menos a mesma coisa. A minha amiga Carmen partilhou comigo a resposta do cantor à grande pergunta do momento:

o que fazemos agora?“.

[…] o músico admitiu que “os tempos mudaram”, e que agora “enfrentamos um inimigo comum – imparcial, insensível e de magnitude incomensurável”, pelo que “não é tempo de nos abstrairmos”, e sim de “sermos cautelosos com as nossas palavras e as nossas opiniões”.

“Teremos de nos recuperar, não só pessoalmente como socialmente”, continuou. “No futuro, ser-nos-á dada a oportunidade de nos refugiarmos numa versão antiga de nós e do nosso mundo – insular, interesseiro e tribalista – ou de perceber as ligações e uniformidades de todos os seres humanos”.

“Em isolamento, vamos ter de decidir entre o que queremos preservar do nosso mundo e de nós próprios e o que desejamos descartar”.

As metáforas dos nossos mundos são da autoria da fotógrafa catalã Andrea Torres Balaguer.

Autor: Frasco de Memórias

https://frascodememorias.wordpress.com

4 thoughts on “Ilhas

  1. “Espero que, depois deste abalo, os valores que nos devem reger encontrem o seu lugar … ” realmente, já há muito nos incomoda, a todos nós, a perda de valores, e infelizmente, refletindo um pouco sobre como muitos estão se comportando diante da atual situação, ainda teremos muito que aprender sobre humanidade, gratidão e amor ao próximo.

    • É muito verdade, Hanni. Aqui em Portugal, apesar de algum pânico que leva ao extremo egoísmo, têm aparecido exemplos positivos, também, mas a caminhada é muito longa. Oxalá, aprendamos algo de bom com toda esta situação. Votos de muita saaúde!

  2. Outro dia, conversava com o mio amore e disse a ele que a natureza há muito se cansou de nossa prepotência. Não sei quando foi que começamos a nos achar melhores que tudo e todos, a não nos importar com nada. A natureza levou bilhões de ano para compor esse planeta e estamos levamos menos de mil para acabar com tudo e vamos nua velocidade impressionante. E passamos por cima de tudo e todos.
    Ando com preguiça das notícias do mundo, das pessoas. Me fechar a casa está sendo fácil porque me afasta de pessoas ignorantes e que gostam dessa condição. É perturbador ouvir os líderes de várias nações mais preocupados com a economia que com a população e ver o resultado disso em menos de 24 horas. Pior é que na década passada houve uma crise que atingiu os principais bancos do mundo e houve uma correria emergencial em salvá-los. Um medo tomou conta das bolsas e pronto… num estalar de dedos brotou dinheiro para salvá-los e foi feito todo o sacrificio possível nesse sentido. Passou o tempo e a crise afetou a nós, pessoas e o que se faz? Pessoas podem morrer, a economia não pode sofrer. Perdi o ar com tantas asneiras que eu ouvi.
    Aqui no Brasil não esperava nada diferente, até porque o meu maior pesadelo foi a eleição do sujeito que lá está a brincar de presidente.
    Enfim, sobreviver iremos, mas como será esse mundo pós pandemia? Bem pior que antes, eu acho. E não se trata de falta de fé, mas de consciência por tudo que tenho observado.

    bacio

    • Lunna, é uma análise muito triste mas muito lúcida.
      Salvámos bancos e fomos ainda insultados, porque “vivíamos acima das nossas possibilidades”.
      Agora, os bancos conseguem mais um negócio incrível para emprestarem dinheiro a empresas aflitas ganhando ainda um juro considerável. Devemos agradecer-lhes?
      É demasiado repugnante!
      Muitas vezes também me falta a esperança!
      Alguns sobreviverão a esta pandemia, outros não.
      Que fustigada foi a sua querida Itália!
      Um grande abraço com votos de muita saúde!
      Bacio!

Deixe uma Resposta para Lunna Guedes Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s