“Le souvenir est le parfum de l´âme” – (George Sand).

Louco

2 comentários

valter hugo mãe chama-me sempre à razão, mesmo quando eu estou cheia de mim como, por exemplo, no caso da eutanásia ou do discurso de Ramalho Eanes, ou quando hesito e estou sem saber bem o que pensar.

No caso deste texto, estamos em total sintonia.

poema sobre o amor eterno

inventaram um amor eterno. trouxeram-no em braços para o meio das pessoas e ali ficou, à espera que lhe falassem. mas ninguém entendeu a necessidade de sedução. pouco a pouco, as pessoas voltaram a casa convictas de que seria falso alarme, e o amor eterno tombou no chão. não estava desesperado, nada do que é eterno tem pressa, estava só surpreso. um dia, do outro lado da vida, trouxeram um animal de duzentos metros e mil bocas e, por ocupar muito espaço, o amor eterno deslizou para fora da praça. ficou muito discreto, algo sujo. foi como um louco o viu e acreditou nas suas intenções. carregou-o para dentro do seu coração, fugindo no exacto momento em que o animal de duzentos metros e mil bocas se preparava para o devorar

valter hugo mãe, in ‘contabilidade’

Fotografia da polaca Sonia Szostak.

Autor: Frasco de Memórias

http://frascodememorias.com

2 thoughts on “Louco

  1. Ah, os loucos… tenho apreço por eles.
    Acho que a loucura nos salva de nós mesmos.
    Talvez por isso que a arte nos permita a loucura para que a gente compreenda a não-loucura e a espie de canto de olho e pense, ficarei com a loucura. rs

    bacio

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s