“Le souvenir est le parfum de l´âme” – (George Sand).


2 comentários

A escolha de Ulisses

A escolha de Aquiles marcou a minha juventude, mas já na idade adulta passou a fascinar-me muito mais a escolha de Ulisses.

Ulisses encalha na ilha da perfeita Calipso e mantém-se no limite da encruzilhada dilemática durante sete anos.

Não se pode dizer que tivesse sido um homem especialmente indeciso, mas há escolhas francamente difíceis.

Calipso apresenta-lhe o dilema:

Ulisses pode viver idilicamente, fazer amor com uma deusa e manter-se eternamente jovem e imortal, numa vida sem sobressaltos e prazerosa;

Ou Ulisses pode regressar à Penélope menopáusica, a um filho adolescente e a um pai decrépito.

Após sete anos irresolutos, Ulisses despede-se, finalmente, da sua ninfa:

“Deusa, não te zangues comigo. Sei muito bem que Penélope é inferior a ti, mas ainda assim desejo ir para a minha casa e ver o dia do regresso. Se algum dos deuses me maltratar no mar vermelho como o vinho, suportá-lo-ei pacientemente.”

E zarpou da ilha, feliz por abrir as velas ao vento.

O sábio Ulisses prefere a vida humana, imperfeita, humilde e efémera, mas real, a viver uma miragem alucinógena, tão monótona quanto superficial.

Nos dias em que estou cansada, não teria a coragem de Ulisses e cairia nos braços da deusa da ilha.

Nos dias em que consigo ser lúcida, beijaria Calipso durante um fim de semana e correria, no Domingo, para casa.

Mais uma vez, foi o incrível livro da Irene Vallejo, O Infinito num Junco que me fez repensar as escolhas da vida de Ulisses e de todas as vidas humanas.

O quadro é de Richard Westall (1765-1836), “Telemachus landing on the isle of Calypso”.