“Le souvenir est le parfum de l´âme” – (George Sand).

Considerações inúteis sobre o Amor

Deixe um comentário

“Abandonar a pretensão da posse, saber conviver com o risco da perda, significa aceitar a fragilidade e a precaridade do amor. Significa renunciar à ilusão de uma garantia de indissolubilidade da ligação amorosa, tendo presente que as relações humanas, com as limitações e as imperfeições que as caracterizam, não podem prescindir da opacidade, das zonas de sombra, da incerteza. É por isso que, quando se procura a total transparência e a verdade absoluta no amor, se acaba por destruí-lo, se acaba por sufocá-lo num abraço mortal.”

” A posse, em todo o caso, configura-se como como um dos piores inimigos do amor. Encerrar o amor num círculo, condenando-o a viver numa prisão eterna, não servirá para protegê-lo das mutações e das metamorfoses que caracterizam as coisas humanas.”

Nuccio Ordine, no manifesto A Utilidade do Inútil, tece estas reflexões lúcidas sobre as relações românticas.

Nota: Como é óbvio, estas e outras considerações muito sábias sobre o Amor são completamente inúteis quando nos apaixonamos. Como toda a gente sabe, se esse fosse um estado de alguma razoabilidade e sensatez, não se chamaria paixão…

Paixão deriva do latim passio, -onis: sofrimento.

Fotografias: IGNANT.

Autor: Frasco de Memórias

http://frascodememorias.com

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s