“Le souvenir est le parfum de l´âme” – (George Sand).


3 comentários

Tranças

Há 12 anos, a minha Avó, na sua frontalidade, informou-me de que eu “já não era menina de tranças”.

Ainda insisti e, durante a gravidez, fiz duas trancinhas, mas agora, anos passados, lembro-me da frase da minha Avó.

Só nas férias ou num fim-de-semana de auto-estima em alta, consigo entrançar-me.

Felizmente, há uma cabecita disponível e que é, justamente, “menina de tranças”.

O penteado de eleição é este; numa versão com elásticos coloridos e mais simplificada.

trancas-de-india-prosecco-and-plaid

É fácil de fazer, mantém-se impecável e afasta a franja comprida dos olhos.

trancas-prosecco-and-plaid-1

trancas-tutorial-prosecco-and-plaid

trancas-tutorial-prosecco-and-plaid-2

Agora falta fazer a versão de adulto.

trancas-de-india-adulto-prosecco-and-plaid

Sabem onde arranjar elásticos transparentes?

As fotografias e a explicação do bem entrançar estão no blog Prosecco & Plaid.

O testemunho de outra avó:

“A minha avó dizia-me que, quando uma mulher se sentisse triste, o melhor que podia fazer era entrançar o cabelo; de modo que a dor ficasse presa no cabelo e não pudesse atingir o resto do corpo. Havia que ter cuidado para que a tristeza não entrasse nos olhos, porque iria fazer com que chorassem, também não era bom deixar entrar a tristeza nos nossos lábios porque iria forçá-los a dizer coisas que não eram verdadeiras, que também não se metesse nas mãos porque se podia deixar tostar demais o café ou queimar a massa. Porque a tristeza gosta do sabor amargo.”  Paola Klung.