Frasco de Memórias

“Le souvenir est le parfum de l´âme” – (George Sand).


4 comentários

Verde

Nos últimos três anos atravessei diariamente os campos do Mondego.

Via o coração de Montemor-o-Velho e sentia-me protegida.

coração Montemor

Apesar do cansaço de duas horas diárias de viagem, enchia os olhos de verde.

Maiorca Cegonhas

E ouvia as crónicas da Antena 1.

À Sexta-feira, Gonçalo Cadilhe falava de viagens, grandes viagens solitárias pelo mundo.

Até que as crónicas emudeceram e começaram as mudanças.

Tudo porque outro cronista, o jornalista Pedro Rosa Mendes, referiu que Angola precisava de importar respeitabilidade.

Acrescentou outras verdades que caíram mal a quem tem interesses muito respeitáveis em Angola.

Até que há pouco tempo estalou o verniz desta amizade entre Angola e Portugal e já não se sabe bem quem é que precisa de importar respeitabilidade.

Portugal arquivou o processo que investigava o vice-presidente de Angola: nada se sabe acerca da transferência misteriosa de 14000 euros para a conta deste político. Uma prenda de Natal…

Arquiva-se e pede-se desculpa pelo desacato.

A bem da nossa digestão, regresso a Gonçalo Cadilhe.

Num programa sobre viagens de comboio, o viajante referiu os melhores carris e as mais belas paisagens.

E, como figueirense que estudou em Coimbra, apontou (também) o percurso Figueira-Coimbra: os campos de arroz, as salinas da foz e as recordações douradas da juventude.

Todas estas razões fazem deste percurso um dos mais bonitos que eu conheci.

Quilómetros de um verde de tal forma luxuriante que durante duas horas esquecia indigestões e restabelecia o meu lugar, enquanto ser humano, no Mundo.

Maiorca