“Le souvenir est le parfum de l´âme” – (George Sand).


10 comentários

Promoção

Há um mês, lançámos uma promoção no Facebook que deu que falar e que me deu especial satisfação, porque vai ao encontro do que acredito:

-a partilha do que temos (de melhor e) excedentário;

-o regresso à tradição milenar da troca de sementes!

Oferecemos sementes de abóboras da D. Adélia a quem provou o Doce de Abóbora com Frutos Secos Nacionais ou Doce de Abóbora com Laranja e Especiarias!

Doce e sementes de abóbora

A problemática da livre circulação de sementes, bem de todos, foi abordada numa crónica de Miguel Esteves Cardoso.

Com o trabalho de Lanka Horstink, coordenadora da campanha pelas sementes livres em Portugal (que conheci através da agenda de Fernanda Botelho) fiquei especialmente sensível a esta questão.

Proibir a troca de sementes entre vizinhos é tão absurdo como proibir os empréstimos e os presentes entre pessoas que se estimam.

Claro que ainda é mais perigoso, porque o que se pretende, a longo prazo, é  a monopolização da circulação de sementes por duas ou três multinacionais.

Ou seja, a monopolização total da alimentação.

E o fim da diversidade dos alimentos tradicionais/nacionais.

As sementes são-nos emprestadas pelas flores, pelos frutos, pelos insectos, pelos pássaros.

Portanto, sempre que puder, vou partilhar com os meus amigos muitas sementes!

sementes de abóbora

Mesmo que às vezes possa parecer estranha:

-Pipas? Um saquinho de pipas?!