“Le souvenir est le parfum de l´âme” – (George Sand).


2 comentários

Pele

A gravidez altera profundamente a vida de uma mulher.

Torna evidente a maravilha de existir, redimensiona a mulher, assim como a tudo o que a rodeia.

Traz também pequenas mudanças apaziguadoras: a minha relação com o meu corpo pacificou-se;

o meu corpo, com imperfeições e defeitos, cumpriu a sua mais nobre missão: a criação de um ser humano.

Claro que esse corpo, que foi atingido pelo divino, nunca mais ficou igual.

Ganhei uma baguete na zona do baixo ventre e uma facilidade incrível para acumular gordura nas imediações.

É a natureza de sobreaviso, porque não quer ser apanhada novamente sem reservas!

O cabelo perdeu volume e os caracóis.

A pele, que era mista, ficou seca, manchada, e muito sensível.

Depois de anos a tentar perceber o que a apaziguava, descobri.

Deixei o tónico de há anos; fidelizei-me à água micelar e percebi que a pele do meu rosto só se sacia com óleo de rosa mosqueta: muito óleo de rosa mosqueta, de preferência de manhã e à noite, depois do creme hidratante.

Claro que quando a minha amiga Ana me sugeriu esta solução, eu duvidei.

Porquê?

Porque o óleo de rosa mosqueta é barato, é totalmente natural e não tem uma embalagem design.

Bem… a gravidez não altera tudo: continuo a manienta de sempre.

Mais humilde…

Talvez.

Ilustrações de Choi Mi Kyung ou Ensee.