“Le souvenir est le parfum de l´âme” – (George Sand).


11 comentários

Contradição

Abraço

Fazal Elahi [pai] sabia que o infinito não era a maior coisa que existe: o quanto gostava de Salim [filho] era maior do que isso.

Parecia-lhe que, quando o filho lhe abria os braços, dava a dimensão exacta do infinito.

E quando os fechava era um espaço ainda maior: os braços apertados contêm mais infinito do que os braços abertos, que contradição.

Abraços para os dois Pais da  minha vida: o meu e o da Beatriz!

E que todos os pais recebam mais do que o infinito!

A citação é de Afonso Cruz: Para onde vão os guarda-chuva.

O Papá respondeu assim:

Ontem a minha filha, que amo mais do que o que cabe no infinito e no finito, até porque o infinito afinal cabe na ideia que dele temos, porque somos capazes de o imaginar, encheu-me as duas mãos de flores amarelas.

E depois abriu-me os braços e a sorrir falou de saudades.

Passei o resto do dia colado a esse maravilhoso ser com que o insondável desígnio do destino me prendou há três anos.

Na realidade a Beatriz é, ela própria, uma flor amarela, e representa o sentido de puro afecto que está na causa e na consequência da vida.

Porque a vida não serve absolutamente para mais nada que não caiba no afecto.

Tudo o resto é um erro, que nos cabe tentar corrigir.


12 comentários

Velas

De regresso à leitura solitária, depois de meses de encantamento e partilha de livros com a Beatriz.

Consegui, finalmente, equilibrar os dois momentos.

Livros

Comecei com A Boneca de Kokoschka e tive de seguir com Afonso Cruz: Para onde vão os guarda-chuvas.

Ainda na página 145 e já com várias pontas de páginas dobradas.

-Os telescópios não servem para aumentar as estrelas, mas para diminuir o ser humano. São máquinas de nos fazer pequenos.

-As estrelas somos nós. Quando Alá nos observa, é como quando nós olhamos para o céu: o que Ele vê são luzes. Cada homem é uma vela a brilhar no escuro […] é assim que Ele consegue ler à noite.

Para além do prazer de ler frases destas, em continuum, adormeço tranquila com a ideia de que sou um vela de Alá e que é (também) por minha causa que Ele lê os seus livros à noite.

Boa leitura!