“Le souvenir est le parfum de l´âme” – (George Sand).


10 comentários

Monsaraz

Já há muitos anos que vou a Monsaraz.

Sei que vou andar a pé, longe de ruídos metálicos, e encontrar as mesmas casas, as mesmas ruas, o mesmo artesanato, os mesmos restaurantes, …

Monsaraz

Há qualquer coisa de muito reconfortante nas rotinas e no facto de sabermos, à partida, que as nossas expectativas não vão sair goradas.

Monsaraz e Beatriz

Mas desta vez tive duas excelentes surpresas.

A primeira loja de Reguengos: do francês Thierry, que trocou o mundo da moda em Paris pelo Alentejo.

Venci a minha timidez e aconteceu uma conversa tão boa que, de repente, estávamos a falar de compota de chuchu e das dificuldades de ter um quintal no Alentejo.

E também de um percurso de vida e dos nossos existencialismos.

Fiquei a admirar Thierry, porque trocou o conforto de uma vida previsível pelo Sonho.

E porque apresentou esta mudança como uma inevitabilidade: escutou o bater íntimo do coração e seguiu-o, porque não podia deixar de fazê-lo.

E eu fiquei a escutar o meu coração…

Não houve lugar a fotografias à loja e apenas retive o Português com sotaque, o sorriso, a revelação e a luz de Monsaraz.

mercearia monsaraz

mercearia 2

mercearia3

Todas estas fotografias da loja são Joli.

 

A segunda revelação: as mantas!

É verdade, eu já tinha olhado para elas.

Mas olhar é muito diferente de ver.

A minha mãe comprou-nos duas pequeninas (de beliche) quando éramos crianças…

São manufacturadas na Fábrica Alentejana de Lanifícios (Fábrica das Mantas) que foi comprada por Mizette Nielsen, nos anos setenta (Pós 25 de Abril).

manta 2

Outra pessoa anteriormente ligada ao mundo da moda, holandesa, e também encantada pelo Alentejo.

Fiquei, ainda, a saber que os padrões destas mantas remontam à tradição moura, uns antepassados muito esquecidos e apagados pela nossa tradição católica…

O preço, que pode não ser muito acessível, tem uma justificação muito válida:

As mantas são em pura lã tingida (um processo já dispendioso) e tecidas em teares manuais, muito lentamente:

Uma manta média leva três dias a ser tecida.

Não faltam razões para voltar a Monsaraz!

Mas, nestes dois meses que se seguem, só mesmo depois das 18:00h!